Certo, certo…é o tempo incerto!

Num dia de Verão mas com tempo a lembrar invernia, procurei as praias do Oeste. O destino era Atouguia da Baleia e lá cheguei depois de algum frio, nevoeiro e bonitas paisagens. Já as praias estavam quase desertas…

1ª parte: De Tauria a Atouguia, em terras que outrora foram mar

A Atouguia da Baleia, que hoje vive na sombra da cidade de Peniche a meia dúzia de quilómetros, e do corrupio balnear e surfista das praias das redondezas – sendo o Baleal talvez a mais conhecida e de certeza a mais bonita e original – tem no seu passado uma riqueza muito interessante, onde a história, a lenda e a geografia se entrelaçam.

Foi este o destino e a Casa do Castelo o nosso abrigo, principalmente depois de um dia de viagem em que o clima andou a tropeçar num Verão teimosamente arredio. Afinal, a única certeza é mesmo a do tempo incerto!

Construida à volta da História, encostada no que resta da muralha do velho Castelo da Atouguia , defensor do que em tempos muito idos foi o porto da Atouguia, a Casa do Castelo acolhe-nos com a beleza das suas linhas clássicas e a simpatia dos anfitriões que nos privilegiam com um ambiente verdadeiramente familiar.

A caminho das praias do Oeste

A companheira desta jornada foi uma Honda X-ADV, uma moto – ou scooter? – com características originais e que se veio a revelar uma experiência muito interessante que aqui conto: “Honda X-ADV”.

VVE008
Com a Honda X-ADV

A moto, gentilmente cedida pela Honda Portugal, foi uma companheira fiel, adequada ao tipo de trajecto com uma ou outra incursão em terrenos nos quais o asfalto primava pela ausência no acesso a algumas das praias visitadas. E diga-se, porque é de justiça, a X-ADV fez jús aos seus pergaminhos, percorrendo essas estradas em terra como se esse fosse o seu terreno de eleição. E se calhar até é… Em estrada, confortável e segura, com boa performance, económica q.b. (4l/100) e o espaço debaixo do banco suficiente para a bagagem de 3 dias.

A caminho, saí de Lisboa cedinho. Dia ensolarado e temperatura amena. Aparentemente condições ideais para uma jornada mototurística. Puro engano! Uma vintena de quilómetros para Norte, percorrendo a sinuosa EN115, quando me aproximava de Sobral de Monte Agraço, vislumbro forte nebulosidade…restos de incêndios da véspera, foi o primeiro palpite. Que rapidamente se desvaneceu quendo constatei que era mesmo nevoeiro. E cerrado. No Alto da Forca, sobranceiro à vila, era evidente que a esperança de um dia solarengo era para já uma miragem. Lá para a frente logo se veria, mas o augúrio não era bom.

VVE000
No Alto da Forca (Sobral de Monte Agraço). O nevoeiro já antecipava o que aí vinha…

Para trás ficou Sobral de Monte Agraço, rumei a Torres Vedras por algumas das estradas menos óbvias mas que naquela zona são muito mais interessantes. Pouco ou nenhum trânsito, piso razoável e com muitas curvinhas para quebrar a monotonia.

VVE003
Mais uma estrada municipal…quase deserta…

Depois de Torres que apenas circundei, o rumo era para a costa. Alguns pormenores lançaram a confusão…afinal, passei por Benfica… e Gibraltar fica ali. Será que vamos ter um enclave quando acontecer o Brexit?

De praia em praia, até Peniche

O roteiro das praias a caminho da Atouguia da Baleia começou um pouco abaixo de Santa Cruz, na Praia Azul. Para Sul ficava a Ericeira e a costa ocidental da zona de Lisboa que percorri por alturas de Março em agradável companhia (ver “Uma volta pelos nossos terrenos de caça”).

A Praia Azul estava banhada pela neblina que, já antecipava, iria ser companheira de viagem. Dava tonalidades diferentes daquelas que seria expectável para a altura do ano…nem por isso desvalorizando a beleza do extenso areal rodeado de dunas e com a foz do Sizandro a sul.

VVE009
Praia Azul

Daqui, um pouco para Norte e cheguei a Santa Cruz. Praia mais cosmopolita mas onde o tempo nebuloso afastava os veraneantes do areal e até das ruas. Apenas uma ou outra esplanada mais composta. No entanto, a praia não escondia a sua beleza. Apenas as tonalidades eram diferentes. Do alto do Miradouro da Praia Formosa conseguimos admirar o enquadramento rochoso e o areal que lhe dão com inteira propriedade o nome.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Para o outro lado, a Pedra do Guincho, altiva, destaca-se do areal e daí parte o areal da Praia do Centro fronteira ao núcleo urbano de Santa Cruz.

VVE018
Santa Cruz – Pedra do Guincho

Um pouco mais à frente, entre outras, a Praia da Física onde alguns surfistas enfrentavam o mar bastante pacífico.

VVE030
Surfistas na Praia da Física (Santa Cruz)

Prossegui junto à costa e um pouco adiante, a Praia da Mexilhoeira. No meio da neblina era possível admirar ainda assim a beleza das arribas que lhe dão o aconchego face ao mar.

Sucedeu-se a Praia de Santa Rita. Os corajosos veraneantes desafiavam a neblina na qual as tradicionais barracas de praia davam a cor que o tempo permitia. Praia com um bom areal, mar revolto a aconselhar algum cuidado aos banhistas. Como a generalidades das praias da zona, é procurada por surfistas e bodyboarders.

VVE055
Praia de Santa Rita

E chegava à Praia de Porto Novo. Um bonito areal situado no final de um vale luxuriante e enfeitado com a foz do Rio Alcabrichel. Ele próprio a proporcionar águas mais calmas a permitir desfrutar de momentos de diversão, por exemplo com as canoas de aluguer.

VVE058
Praia de Porto Novo – Rio Alcabrichel
VVE060
Praia de Porto Novo
VVE061
Praia de Porto Novo

Esta praia, onde antigamente havia um porto piscatório tem a sua história. Foi aqui, que em 1807, desembarcou o exército britânico comandado por Wellington e que viria a derrotar as forças francesas da primeira Invasão Napoleónica, comandadas por Junot, na batalha do Vimeiro.

Depois de uma pequena paragem para recuperar e petiscar algo era tempo de continuar pois ainda faltava muito para o destino.

Seguiu-se a pequena Praia de Valmitão, com o escasso areal apertado pelas falésias que o ladeiam.

VVE066
Praia de Valmitão

Depois a Praia de Porto Dinheiro, que me acolhe com um engraçado dinossauro antes de começar a descer para o areal. Bonita praia com um pequeno aglomerado de casas da comunidade piscatória. Consta não ser mau sitio para restaurar…afinal, peixe não faltará.

VVE068
Ao chegar à Praia de Porto Dinheiro somos recebidos por este simpático dinossauro…
VVE069
Praia de Porto Dinheiro

Era agora a vez de chegar à Praia de Porto das Barcas. Como o nome indica, também pequeno porto piscatório. Terá sido uma praia antigamente famosa mas que entretanto caiu em decadência, como se pode constatar por alguns antigos restaurantes agora fechados.

VVE075
Praia de Porto das Barcas
VVE082
Praia de Porto das Barcas
VVE083
Praia de Porto das Barcas
VVE084
Praia de Porto das Barcas
VVE085
Praia de Porto das Barcas
VVE086
Praia de Porto das Barcas

Em fase de alguma recuperação, é possível ver algumas esculturas do artista local simplesmente conhecido por Zé…ou ZenArtes. Muito interessante…

VVE087
Praia de Porto das Barcas – ZenArtes

A praia seguinte tem um extenso areal e, apesar do tempo cinzento, até estava apetitosa… falo da Praia da Peralta.

VVE092
Praia da Peralta

A curiosidade histórica que a marca está relacionada com o naufrágio do Galeão São Nicolau, em 1642. Fazia parte de uma armada de 11 navios preparada para ir em socorro da Ilha Terceira ainda em poder dos Espanhóis (estamos nos anos seguintes à Restauração da Independência).  A força expedicionária era comandada pelo General Tristão de Mendonça Furtado que seguia no Galeão Bom Jesus de Santa Teresa e o Almirante da Armada, Francisco Duarte, no Galeão São Nicolau. Acometidos por violenta tempestade, o São Nicolau viria a naufragar nestas águas. Por sua vez, o Bom Jesus salvar-se-ia mas, o General e outros oficiais resoveram meter-se num batel que os trouxesse até à costa. O batel voltou-se e pereceram todos.

Neste batel vinha também um marinheiro que tinha uma missão secreta: entregar ao capitão donatário da Ilha Terceira um cofre com pérolas enviado de Lisboa. O marinheiro conseguiu chegar à praia…mas moribundo terá conseguido ainda enterrar o cofre escondendo-o. Terá deixado algumas pistas mas desconhece-se se alguma vez as pérolas terão sido encontradas…

VVE088
Praia da Peralta e a X-ADV

Mais um pouco e continuei o périplo pelas praias à medida que me aproximava de Peniche. Seguiu-se a Praia do Paimogo. Uma pequena baía dominada pelo Forte de Paimogo datado do Séc. XVII. Procurada para a prática de mergulho e pesca submarina, talvez pelo fundo rochoso que se descortina do areal, foi aqui que em 1993 foram encontrados cerca de 100 ovos de dinossauro, alguns contendo ossos embrionários, que mais tarde viriam a ser atribuídos à espécie Lourinhanosaurus antunesi e que se encontram à guarda do Museu da Lourinhã.

VVE095
Praia e Forte de Paimogo
VVE096
Forte de Paimogo
VVE098
Forte de Paimogo
VVE099
Praia de Paimogo

A praia seguinte foi a de S.Bernardino. Não é grande mas por estar protegida por arribas é bastante acolhedora e convidativa. Até porque tem boas infraestruturas de apoio.

VVE103
Praia de S. Bernardino

Ao longe já vislumbro Peniche. Mas ainda tenho duas praias antes de chegar à cidade de Peniche e começo a estar em pleno domínio dos praticantes de Surf.

A primeira é a Praia da Consolação. Protegida pelo forte que a divide em duas, tem características muito peculiares. A norte, o extenso areal que segue até Peniche passando pela Praia de Supertubos (próxima paragem) e que é muito procurado pela comunidade surfista. A sul, praia rochosa, mas sobretudo com uma excelente exposição solar e muito rica em iodo, o que a faz ser muito procurada por motivos terapêuticos (doenças de origem reumática e óssea).

VVE110
Praia da Consolação – vista para norte. Ao fundo, Peniche
VVE114
Forte da Consolação. Nas rochas, veraneantes aproveitam os efeitos da exposição ao ar pleno de iodo

E assim cheguei à Supertubos, de seu nome Praia do Medão. Protegida da nortada pela península de Peniche, os seus “tubos” são considerados os melhores em mares europeus. Ondas grandes e tubos perfeitos fazem-na ser considerada uma das mecas do Surf e cenário de multiplas competições internacionais. E não só só do Surf, pois também é procurada por praticantes de jet-ski, kitesurf, windsurf e bodyboard.

Em Peniche…outrora ilha e hoje península

Peniche é considerada a cidade mais ocidental da Europa Continental. Mas nem sempre assim foi. E não porque o estatuto de cidade lhe foi outorgado apenas em 1987. Mas porque há algumas centenas de anos, a agora península era então uma ilha.

Na realidade a geomorfologia deste pedaço de território sofreu imensas transformações ao longo dos tempos. E se há alguns milénios a linha de costa se situava a cerca de meia dúzia de quilómetros a oeste da actual Peniche, já no segundo milénio da era Cristã, este pedaço era uma ilha.

Supõe-se que etimológicamente, Peniche venha do termo em latim para península – paene+insula ( que significa “quase ilha”) – mas ainda no séc XII, a linha de costa situava-se a oriente do maciço rochoso que hoje constitui a península. E também o Baleal era uma ilha. À época, o que hoje conhecemos por Atouguia da Baleia, era designada por Tauria pela grande quantidade de touros selvagens que aí havia. E dominava o estuário de S. Domingos, sendo aqui o principal porto da região.

O açoreamento progressivo do triângulo situado entre Peniche, Baleal e Atouguia, não só alterou significativamente a morfologia do terreno como também teve significativo impacto na importância relativa entre estas povoações.

MorfologiaTerrenoAtouguia.JPG

Se na actualidade Peniche é um dos maiores postos piscatórios nacionais e a cidade é o polo urbano mais desenvolvido da região, à época dominava Touria/Atouguia, porque o estuário lhe dava características de abrigo e de maior facilidade na respectiva defesa. A pesca é a principal actividade da cidade sendo o turismo também cada vez mais relevante

O monumento mais conhecido é o Forte de Peniche, que teve a sua origem no Castelo da Vila datado do Séc XVI e mandado construir por D. João III em 1557. Era a resposta à crescente importância de Peniche (e à decadência da Atouguia, cada mais inacessível por via maritíma) neste ponto da costa que deixava de ser uma ilha e passava a fazer parte da plataforma continental. A construção fica concluída em 1645. Sendo a praça-forte responsável pela defesa de Peniche ao longo dos anos, tornou-se tristemente célebre no Séc XX enquanto prisão de oposicionistas políticos do Estado Novo. É hoje o Museu da Resistência (fechado quando por lá passei…).

VVE123
Forte de Peniche
VVE124
Forte de Peniche
VVE126
Forte de Peniche
VVE127
Porto de Pesca

Outro ex-libris de Peniche é o Cabo Carvoeiro. Em dias mais límpidos, é possível vislumbrar as Berlengas. Mas não foi esse o caso pois o meu dia continuava muito cinzento e nublado. É, todavia, um destino que está na agenda.

O Cabo é majestoso e à medida que nos aproximamos as formações geológicas de origem calcária dão formas surpreendentes às falésias que se precipitam para o mar alteroso lá em baixo.

VVE150
Cabo Carvoeiro
VVE152
Cabo Carvoeiro – Farol
VVE154
Cabo Carvoeiro
VVE156
Cabo Carvoeiro
VVE160
Cabo Carvoeiro

A caminho, uma placa indicava Papôa. O nome suscitou a minha curiosidade pois não tinha qualquer referência ao local. Lá fui…e bem surpreendido fiquei pela riqueza paisagística do local. O trabalho de erosão do mar e dos ventos gerou formações rochosas imponentes e de grande riqueza visual. Dali se vê, a norte todo o areal que vai até ao Baleal e a sul, a figura majestosa do Cabo Carvoeiro.

VVE135
Peniche – Papôa
VVE138
Peniche – Papôa
VVE143
Peniche – Papôa
VVE145
Peniche – Papôa

Visitado Peniche e o Cabo Carvoeiro, segui caminho. Obviamente a próxima paragem foi o Baleal. Já bem conhecido, ainda assim a beleza desta “ilha” e a curiosidade do acesso por via única sobre o istmo arenoso que a une ao lado continental, nunca deixa de me deixar encantado. O próprio casario, apesar da pressão turtística cada vez maior, não perdeu as suas características originais e dá assim a forma de grande beleza que é possível observar “do outro lado”. Apesar do tempo sombrio, muitos eram os fiéis da praia que frequentavam, quer a do norte (mais pequena) quer a do sul (cujo areal se estende até Peniche).

VVE163
Baleal
VVE167
Baleal – Praias
VVE166
Baleal – ao fundo o Cabo Carvoeiro
VVE168
Baleal – Praia do norte
VVE169
Baleal – Praia do sul
VVE171
Baleal – Azáfama junto à praia
VVE173
Praia do norte e o Baleal em segundo plano

Cafézinho tomado e voltei à estrada. Até esta altura, a X-ADV foi uma fiel companheira. Confortável e sempre disponível, a sua configuração de scooter torna-a muito acessível e prática para uma viagem com estas características em que a cada passo surge uma oportunidade de ver algo ou tirar umas fotos. A bagagem para esta viagem (de 3 dias) toda convenientemente guardada debaixo do banco (onde alternativamente cabe um capacete integral e mais umas coisinhas) livrou-me de preocupações adicionais nestas paragens. E por falar em preocupações, foi algo que também não tive quando o acesso a algumas destas praias se fazia por estradas de terra batida ou em pior estado. A X-ADV é, na realidade, uma scooter-trail com as características de polivalência inerentes. As suspensões absorvem competentemente as irregularidades do terreno e a tracção – com a opção Gravel ligada – associada à gestão da caixa semi automática DCT nunca deixou margem para qualquer reparo. Sem dúvida uma excelente opção para passeios com estas características. Que ao longo dos quilómetros fui confirmando e com crescente satisfação à medida que a viagem decorria.

A tarde ía avançada e preparava-me para começar “a apontar” ao destino do dia: a Casa do Castelo na Atouguia da Baleia. Mas ainda tinha alguns pontos no roteiro para visitar.

O primeiro foi a Praia d’El-Rei. Actualmente um grande condomínio de luxo, a praia estava quase deserta apesar de ser um dia de Verão.

VVE174
Praia d’El-Rei

A zona da costa que percorri nesta jornada é sempre uma caixinha de surpresas quanto ao tempo que se encontra. Ora belos dias de sol e calor, ora a neblina e o vento que tornam os dias cinzentos e menos agradáveis. Como já referi, a única certeza é o tempo incerto! Continuei…

Aproximava-me da margem sul da Lagoa de Óbidos que seria o limite onde depois inflecti para o interior rumo à Atouguia. Entretanto, ainda houve tempo para rever a praia de Rei Cortiço (onde há algum tempo tinha estado…mas de bicicleta). Zona em que se vê estarem a ser implantados alguns aldeamentos e que antecipa algum crescimento turístico mas o ritmo parece ser lento. Ainda bem…

A pequena Praia de Rei Cortiço rodeada de umas pequenas falésias que a comprimem até ao mar, mantinha o ar de calma tranquilidade que recordava. Obviamente que num dia solarengo talvez a azáfama fosse diferente.

VVE176
Praia de Rei Cortiço
VVE178
Praia de Rei Cortiço

E finalmente cheguei à Lagoa de Óbidos. Do outro lado, a Foz do Arelho que visitei no dia seguinte. Aqui, a oportunidade para uma foto panorâmica e…..rumo à Atouguia da Baleia percorrendo as margens da Lagoa e depois por Vau, Olho Marinho e Serra d’El-Rei

VVE180
Lagoa de Óbidos – ao fundo a Foz do Arelho
VVE182
Lagoa de Óbidos – ao fundo a Foz do Arelho

Na Atouguia da Baleia…

…ou na Tauria como lhe chamavam antigamente!

No Sec XII, D. Afonso Henriques outorgou estas terras aos irmãos Guilherme e Robert de Corni, cruzados franceses, em agradecimento a serviços prestados nas lutas contra os Mouros, nomeadamente a conquista de Lisboa. Chamava-se assim o território pois nele abundavam touros selvagens. A denominação actual deriva de sucessivas evoluções do termo ao longo de 2 milénios. Ainda hoje, defronte da Igreja Matriz é possível ver alguns dos pilares que circundavam o Touril onde esses touros bravos eram depois exibidos nas festas medievais (e provavelmente as antepassadas das touradas actuais…).

VVE240
Reminiscências do Touril

O primeiro foral data de 1167! Veja-se que o foral de vila é atribuído a Peniche apenas em 1609…mas, dois séculos passados, em 1836, o concelho da Atouguia é extinto e integrado no de Peniche. Como a alteração geomorfológica do território que atrás mencionei alterou significativamente as relações de importância entre as duas povoações.

História diferente tem o acréscimo “da Baleia”. Conta-se que por volta de 1526 terá dado à costa, num lugar então chamado Areia Branca, uma baleia que “tinha de comprimento 30 côvados” (cerca de 15 metros). Daí a Atouguia…da Baleia. Na Igreja de São Leonardo pode ser vista uma grande costela de baleia petrificada que, diz a lenda, pertenceria ao tal cetáceo.

Também este templo tem história curiosa. S. Leonardo não é santo de devoção habitual em Portugal, sendo este mesmo o único devotado a tal santo. S. Leonardo de Noblac era um nobre gaulês no Sec V que consagrou a sua vida a Deus em vez de seguir os caminhos da guerra como seria habitual à época para a sua condição social. Noblac é o nome do mosteiro que fundou em terras que lhe foram oferecidas.

Estabelecida em terras da Gália a devoção a este S. Leonardo, séculos mais tarde, era ele o padroeiro de navio francês que enfrentou terrivel tempestade ao largo da Atouguia (recorde-se que na Idade Média, Atouguia era porto de mar) tendo procurado aqui protecção da fúria dos elementos. Toda a tripulação abandonou o navio e acolheu-se numa capela que ali existia. Com eles vinha a imagem do santo padroeiro. Algum tempo passado, a tempestade desvaneceu-se e era tempo de os marinheiros voltarem ao navio e fazerem-se ao mar, só que…sempre que procuravam transportar a imagem do santo para o navio, o mar alterava-se e a tempestade regressava. Ou seja, acabaram por se estabelecer naqueles domínios. Mais tarde, no local onde se abrigaram veio a ser construída a que é hoje a Igreja de São Leonardo, cuja origem remontará ao Séc XIV.

VVE229
Igreja de S. Leonardo
VVE231
Igreja de S. Leonardo
VVE232
Igreja de S. Leonardo – pormenor
VVE233
Igreja de S. Leonardo (ao fundo, a Casa do Castelo)

O nosso abrigo: a Casa do Castelo

Situada mesmo defronte da Igreja de São Leonardo fica a Casa do Castelo. A ela cheguei já a tarde caminhava para noite. Ainda a tempo de vislumbrar a beleza arquitectónica do edifício e o seu enquadramento paisagístico. Que é relevante, uma vez que está encostado a parte da muralha do que em tempos foi o Castelo da Atouguia, de origem mourisca e datado do Séc XII, em perfeita simbiose.

E desde logo, fomos simpaticamente acolhidos pelo nosso anfitrião. Estacionada a moto, não pudemos deixar de ficar impressionados com o enorme e centenário dragoeiro que nos aponta o caminho da Casa. Diga-se que, como me foi contado, esta belíssima árvore classificada perdeu uma parte importante do seu porte no ano passado, mas não perdeu a sua altivez e majestade. Impressionante!

VVE208
Casa do Castelo e o imponente dragoeiro

O Castelo, bem como a Igreja de São Lourenço, situa-se no cimo de um monte e tem à sua frente, o que hoje é um vale onde corre um fio de água chamado S. Domingos (domesticado por barragem do mesmo nome situada ligeiramente a montante). Mas antigamente, esse vale fazia parte do estuário de S. Domingos e nele se situava o porto da Atouguia. Naturalmente, o Castelo e suas muralhas faziam parte essencial das defesas do porto. Da janela do quarto era possivel perceber todo este enquadramento, com a muralha logo ali e a vasta planície que se estende até ao Baleal e que outrora foi o já referido estuário de S: Domingos.

VVE194
Casa do Castelo – Muralha, jardim interior e ao fundo, o Baleal

A Casa do Castelo, precioso abrigo depois de uma jornada menos luminosa que o desejado mas não menos interessante, acolheu-nos. E desde logo nos deixou favoravelmente impressionados. Quer pela beleza do edificio, testemunho da sua história secular. Construída no Sec. XVII sofreu profunda transformação e ampliação nos principios do Séc XIX, como aliás é comum nestas casas senhoriais que cresciam à medida que as familias aumentavam e reflexo da sua própria prosperidade.

VVE225
Casa do Castelo
VVE227
Casa do Castelo
VVE228
Casa do Castelo
VVE243
Casa do Castelo
VVE222
Casa do Castelo

Nos finais do século passado, obras profundas de recuperação e restauro, concluídas em 1995, devolveram o brilho e elegância ao edifício e dotando-o então das características no seu interior adequadas à atual função: um turismo de habitação que acolhe os seus visitantes como se de velhos amigos se tratassem. Essas obras procuraram respeitar a antiga traça do edifício mas dotando-o agora dos confortos modernos.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Também o antigo páteo virado a poente foi adaptado, com as antigas instalações da faina agrícola (cocheiras e galinheiros) transformadas em simpáticos apartamentos com um alpendre acolhedor sobre a apelativa piscina (estivesse melhor o tempo e não teria escapado a um mergulho…).

VVE210
Casa do Castelo – pátio
VVE215
Casa do Castelo – pátio
VVE219
Casa do Castelo – pátio

A última palavra é a mais importante. Por mais bela que uma casa seja, a verdadeira alma vem daqueles que a habitam. E a capacidade de nos fazerem sentir que estamos em “nossa casa” e podermos desfrutar, com a simplicidade da amizade, da história e da vida, neste caso, da Casa do Castelo. Assim, uma enorme gratidão pelo acolhimento e pelo convívio que o João e a Maria me proporcionaram nesta curta mas memorável visita à Casa do Castelo.

VVE221
Com o meu caríssimo anfitrião!

E não esqueço que a simpatia e disponibilidade se prolongaram pela manhã seguinte com um périplo pela Atouguia da Baleia, onde o João Baltazar foi um cicerone precioso, contando-me algumas das histórias que aqui reproduzo e que bem ilustram a ancestral riqueza desta povoação cuja história corre em paralelo com a de Portugal.

Nesse périplo pela vila, para lá de outros monumentos – a fonte medieval, a Igreja Matriz, o pelourinho…e até a sede do Vespa Clube do Oeste – foi possível ver os resquícios do Touril.

VVE230
Atouguia da Baleia – Pelourinho
VVE234
Atouguia da Baleia
VVE236
Atouguia da Baleia – fonte medieval
VVE238
Atouguia da Baleia – fonte medieval
VVE241
Atouguia da Baleia – Igreja Matriz e os resquícios do Touril
VVE235
Atouguia da Baleia – sede do Vespa Clube do Oeste

E aqui vem a talhe de foice contar mais um episódio da nossa História, vivido nestas terras. Este Touril virá da época em que D. Pedro e D. Inês por aqui viveram alguns dos tempos do seu trágico romance. Estávamos a meio do Séc XIV, quando D. Pedro se veio a acolher no Paço situado na então designada povoação de Serra d’Atouguia e que a partir daí passou a ser Serra d’El-Rei. Sendo ainda relação entre ambos ilegítima, D. Inês estava na povoação vizinha hoje denominada Coimbrã (alusão ao facto de os apaixonados amantes virem de Coimbra onde antes residiam?).

E foi precisamente D. Pedro, grande apreciador da caça e dos touros que terá renovado o interesse por esta espécie na Atouguia da Baleia e que já fazia parte da sua história anterior.

Contada este episódio, e porque o caminho por aí nos levava, nada como terminar em Serra d’El-Rei com uma foto da entrada do Paço Real que acolheu o Infante, futuro Rei D. Pedro I.

VVE244
Serra d’El-Rei – Paço
VVE245
Serra d’El-Rei – Paço (pormenor)

Agradecimentos

A moto utilizada nesta viagem foi uma Honda X-ADV, sobre a qual já escrevi a respectiva análise, publicada aqui. A minha gratidão à Honda Portugal pela sua cedência.

LOGO_HONDA_OFICIAL

Um grande muito obrigado também aos Solares de Portugal, companhia de primeira hora neste projecto em que vos dou a conhecer algum do riquíssimo património histórico e arquitectónico dos muitos solares e mansões familiares do nosso País.

Solares_logo_mini

E obviamente, a minha gratidão aos anfitriões desta excelente visita à Casa do Castelo na Atouguia da Baleia. Que recomendo…até porque fica logo ali, ao Virar da Esquina!

VVE209
Casa do Castelo

P’rós Amigos

Disclaimer

A partir de hoje (24/09/2019) e durante os próximos 30 dias, os Solares de Portugal oferecem um desconto de 10% nas reservas efectuadas para este destino sendo que nesse acto deverá ser indicada a referência 6F0BD582 e mencionar que a casa visitada foi a  Casa do Castelo na Atouguia da Baleia.

Este desconto não é cumulativo com campanhas em vigor e a reserva da estadia terá que ser feita através da CENTER promo@center.pt e tel 258 743 965 e não directamente à casa.

Outros benefícios podem ser consultados na página P’rós Amigos!

3 opiniões sobre “Certo, certo…é o tempo incerto!”

Deixe uma Resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Create your website with WordPress.com
Iniciar
%d bloggers like this: