As estradas esquecidas da Beira Baixa

Esta é uma forma de dizer mea culpa. Vivi dois anos, já há muito, em Castelo Branco mas por falha imperdoável não conhecia os terrenos que agora pisei. Estas são as estradas esquecidas da Beira Baixa (há outras que ficarão para nova oportunidade). 

Um País tão pequeno como o nosso é estranho pois parece que está inclinado em direcção ao oceano. Como se fosse um anfiteatro em que as últimas filas ou estão desocupadas ou quem lá está … não pertencesse aquele espectáculo. 

Temos a sensação que os pedaços de território que ficam encaixados entre as principais vias de comunicação mais a leste e a linha que nos separa de Espanha acabam por ficar esquecidos. Esquecemo-nos dos que lá estão, porque só lá vai…quem lá precisa de ir. 

Comecei a jornada ainda no Alentejo mas já próximo da Beira Baixa, em Nisa. O “aquecimento” foi feito nos 18km que separam a última vila alentejana da primeira beirã, Vila Velha de Ródão, na Estrada Nacional 18 e que, numa sucessão de curvas e contra curvas em bom piso, fazem atravessar a Serra de Nisa. 

1-EN18 Serra de Nisa - Casa de Cantoneiros.jpg_7.43_jpg
EN18 Serra de Nisa – Casa de Cantoneiros

Quase a chegar às margens do Tejo, vemos o rio acabado de entrar em Portugal ainda envolvido em alguma névoa matinal. 

Convém dizer que este passeio ocorreu no final de Novembro, mesmo na véspera do começo dos estados de confinamento que, infelizmente, começam a ser demasiado habituais. A manhã estava fria mas o dia compôs-se. De qualquer forma, era preciso acautelar o tempo pois havia muito que percorrer e nesta altura os dias são demasiado curtos. 

2 - Rio Tejo manhã cedo.jpg_6.52_jpg
Rio Tejo manhã cedo

 A descida para a ponte de Ródão é magnífica, com o rio aos nossos pés. Lá chegados, uma visão já habitual mas sempre deslumbrante: as Portas de Ródão. As escarpas de ambas as margens abraçam o Rio Tejo num abraço bem apertado…. 

3 - Portas de Ródão.jpg_8.20_jpg
Portas de Ródão
20201127_100715.jpg_8.65_jpg
Rio Tejo e Ponte de Vila Velha de Ródão
20201127_100855.jpg_8.02_jpg
Portas de Ródão e Marco da EN18

Logo a seguir a Vila Velha de Ródão (onde senti o “perfume” industrial que caracteriza esta terra) deixei a EN18 e rumei ao interior a caminho do Parque Natural do Tejo Internacional. De facto, alguns quilómetros a montante de Vila Velha de Ródão, fica a Barragem de Cedillo que marca o ponto onde o rio passa a ter, no seu curso, ambas as margens em território nacional. Porque para trás e durante alguns quilómetros, só a margem direita é nossa. Seria neste pedaço de território que iria começar este périplo. 

A primeira aldeia por onde passei foi Perais, uma pequena aldeia de 500 habitantes. 

20201127_104154.jpg_7.65_jpg
Perais
4 - Igreja Matriz de Perais.jpg_7.52_jpg
Igreja Matriz de Perais

Continuei e a seguinte localidade deixa o registo de um nome estranho: Alfrivida…. 

5 - Entrada de Alfrivida.jpg_7.87_jpg

 Segui a estrada cujo destino era agora Malpica do Tejo. A dado momento, a travessia do Rio Pônsul na imponente Ponte de Lentiscais, por baixo da qual fica um pequeno parque de merendas e um ancoradouro para quem ali queira fazer passeios por este afluente do Tejo. 

6 - Ponte de Lentiscais.jpg_9.45_jpg
Ponte de Lentiscais
7 - Rio Pônsul.jpg_9.78_jpg
Rio Pônsul

Quando se percorrem estas estradas temos por vezes que as partilhar com outros. Dá para todos. 

8 - Perto de Malpica do Tejo.jpg_5.56_jpg
Perto de Malpica do Tejo

Em Malpica do Tejo tinha como objectivo visitar o cais que fica na margem do Rio Tejo. Tinha curiosidade pois o terreno escarpado das margens prometia uma bonita paisagem, com Espanha defronte. Por razões que não consegui apurar… a estrada estava cortada.

20201127_112246.jpg_10.14_jpg
A estrada acabava ali….

20201127_112319.jpg_8.39_jpgAo fundo, Malpica do Tejo. Aqui voltei para trás…

Regressei a Malpica e à saída uma peculiar capela, com trânsito giratório à sua volta. Uma rotunda original, sem dúvida. 

9 - Capela (rotunda) em Malpica do Tejo.jpg_7.32_jpg
Capela (rotunda) em Malpica do Tejo

Esta região pertenceu, desde os tempos da Reconquista Cristã à Ordem dos Templários (mais tarde Ordem de Cristo), tendo-lhes sido doados em 30 de Novembro de 1165 (faria daí a 3 dias 855 anos!). O objectivo era a protecção e defesa do território bem como algum desenvolvimento agrícola, favorecido pela proximidade ao Tejo. 

Existem alguns testemunhos da presença humana em tempos pré-históricos e, mais tardios, também dos romanos.

A orografia do terreno do Parque Natural do Tejo Internacional faz com que a estrada seja sinuosa e sempre em sobe e desce, mesmo que não haja grandes declives ou variações de altimetria. Com o trânsito quase inexistente, acaba por ser bem divertida. 

10 - Estrada no Parque Natural do Tejo Internacional.jpg_7.28_jpg
Estrada no Parque Natural do Tejo Internacional

Um pouco mais à frente, a aproximação a Monforte da Beira. Dizem as lendas que o nome da terra, Monforte, deriva dos “Montes Fortes” que a rodeia e a protegem. Em tempos antigos serviria para abrigo dos rebanhos que por aqui andavam, defendendo-os das intempéries. Diz-se “da Beira” para a diferenciar da localidade homónima situada no Alto Alentejo. 

11 - Monforte de Beira.jpg_8.01_jpg
Monforte de Beira
12 - Igreja Matriz de Monforte da Beira.jpg_6.85_jpg
Igreja Matriz de Monforte da Beira
13 - Monforte da Beira - Torre do Relógio.jpg_3.13_jpg
Monforte da Beira – Torre do Relógio
14 - Monforte da Beira.jpg_8.68_jpg
Monforte da Beira

Saído de Monforte, a estrada continuava com as suas características sinuosas. A descida para a Ribeira de Aravil que levava caudal apreciável foi oportunidade para apreciar a paisagem. 

15 - A descer para a Ribeira de Aravil.jpg_7.94_jpg
A descer para a Ribeira de Aravil
16 - Ribeira de Aravil.jpg_9.68_jpg
Ribeira de Aravil

Um pouco mais à frente, outra aldeia com um nome curioso: Cegonhas! Somos bem vindos o que é sempre agradável! 

17 - Bem vindos a Cegonhas.jpg_9.23_jpg
Bem vindos a Cegonhas

Finalmente cheguei a um dos objectivos do dia. Rosmaninhal é, se olharmos para o mapa, o posto avançado nesta região. Freguesia que tem a nascente Espanha e a sul o Tejo, sendo que na margem oposta deste é também território espanhol. Tem actualmente cerca de 500 habitantes e chegou a ser sede de concelho entre 1510 e 1836. Percorri algumas das ruas desta terra com uma bonita vista. 

18 - Rosmaninhal - Capela de S. Roque.jpg_8.32_jpg
Rosmaninhal – Capela de S. Roque
19 - Rosmaninhal - Pelourinho.jpg_8.06_jpg
Rosmaninhal – Pelourinho
20 - Rosmaninhal - Rua e vista para o Parque Natural do Tejo Internacional.jpg_9.99_jpg
Rosmaninhal – Rua e vista para o Parque Natural do Tejo Internacional
21 - Rosmaninhal - Igreja Matriz e Torre do Relógio.jpg_7.26_jpg
Rosmaninhal – Igreja Matriz e Torre do Relógio

 Deixei para trás a histórica vila, onde já não existem registos do seu ancestral castelo ou das suas muralhas, sendo certo que existem referências bem antigas à sua existência. Natural aliás, dada a posição estratégica face ao vizinho espanhol. 

Segui para norte agora, rumo às Termas de Monfortinho. De passagem, em Zebreira duas curiosidades. Uma peça de “arqueologia rodoviária” não muito bem conservada e um pormenor da bonita escola primária.

Até aqui, uma nota de profunda tristeza nas terras percorridas. Praticamente desertas, ruas vazias, não só pelos seus poucos habitantes mas também pelo facto destes tempos estranhos levarem as pessoas a fecharem-se em casa. 

Não sei se foi real ou apenas impressão, mas fiquei com a sensação que a minha passagem lá também seria, por estes motivos, dispensável. Naturalmente compreendo. E leva-me a reflectir se nestes tempos tão difíceis faz sentido impormos a nossa presença que noutras circunstâncias, seria não só desejada como bem acolhida. 

Em Zebreira, estes pensamentos quase se desvaneceram ao passar pela Escola Primária. Um bando de crianças brincava no recreio. Uma imagem de alegria e também de satisfação por ver que alguma renovação geracional se fará por aqui. 

22 - Zebreira - Painel de azulejos publicitário.jpg_8.16_jpg
Zebreira – Painel de azulejos publicitário
23 - Zebreira - Pormenor da Escola Primária.jpg_7.92_jpg
Zebreira – Pormenor da Escola Primária

Cheguei finalmente às Termas de Monfortinho. A fronteira está mesmo ali. Só para marcar o ponto, resolvi entrar no país vizinho e rapidamente regressei…até porque a estrada do lado de lá era pior! Os objectivos da jornada eram por cá e não havia tempo a perder porque a luz do dia terminaria bem cedo. 

24 - Termas de Monfortinho - Espanha é já ali.jpg_7.03_jpg
Termas de Monfortinho – Espanha é já ali

Vem de tempos ancestrais a utilização das águas termais de Monfortinho. Os romanos, grandes apreciadores terão sido os primeiros a desenvolver o seu aproveitamento. Apesar de não haver registos, sabe-se que por aqui andaram. E será desta altura a utilização das águas da Fonte Santa de Monfortinho. 

Com um largo espectro de utilização com benefícios para a saúde, foram sendo utilizadas pelas populações quer de lado português quer do lado espanhol. Até porque a fronteira é mesmo ali, com o Rio Erges a separar os dois países. 

Apesar da riqueza das suas águas, as Termas de Monfortinho nunca conheceram o desenvolvimento de outras estações termais devido aos difíceis acessos que a tornavam, até há bem pouco tempo, muito afastada e pouco apetecível como destino turístico e de saúde. 

25 - Termas de Monfortinho.jpg_8.99_jpg
Termas de Monfortinho
26 - Termas de Monfortinho - Rio Erges - Do lado de lá é Espanha.jpg_10.02_jpg
Termas de Monfortinho – Rio Erges – Do lado de lá é Espanha

20201127_134637.jpg_8.53_jpgTermas de Monfortinho

Depois das Termas de Monfortinho, que acredito noutros tempos e noutra altura do ano estaria a fervilhar de gente, era tempo de rumar à histórica vila de Penha Garcia. 

Alcandorada no cimo do monte, com uma ruína do seu outrora altaneiro castelo, que se supõe ter sido mandado construir por D. Sancho I, conserva ainda o casario típico nas suas ruas íngremes. 

Teve foral em 1256 recebido de D. Afonso III, tendo o município sido extinto em 1836. 

27 - Penha Garcia - vista panorâmica.jpg_6.04_jpg
Penha Garcia – vista panorâmica
28 - Penha Garcia - Rua e Castelo ao fundo.jpg_7.83_jpg
Penha Garcia – Rua e Castelo ao fundo
29 - Penha Garcia - rua típica.jpg_9.24_jpg
Penha Garcia – rua típica
30 - Penha Garcia - Pelourinho.jpg_8.10_jpg
Penha Garcia – Pelourinho
31 - Penha Garcia - Igreja Matriz.jpg_7.47_jpg
Penha Garcia – Igreja Matriz
32 - Penha Garcia - Torre da Igreja e Castelo.jpg_7.31_jpg
Penha Garcia – Torre da Igreja e Castelo
33 - Barragem de Penha Garcia.jpg_9.18_jpg
Barragem e Fragas de Penha Garcia
34 - Penha Garcia - Castelo.jpg_9.17_jpg
Penha Garcia – Castelo

20201127_145704.jpg_8.18_jpgPenha Garcia – Estranho….

Depois de Penha Garcia, continuei. Era agora a altura de visitar a que em tempos foi designada como a “aldeia mais portuguesa de Portugal”: Monsanto. 

35 - Monsanto - panorâmica.jpg_5.75_jpg
Monsanto – panorâmica

À medida que subimos ao “Mons Sanctus” pelo pedaço sinuoso de estrada , começamos a ter a noção do poder e dimensão da natureza. 

36 - Monsanto - A natureza dá-nos a noção da nossa dimensão.jpg_8.89_jpg
Monsanto – A natureza dá-nos a noção da nossa dimensão

Monsanto é um exemplo claro da capacidade de adaptação humana ao que a terra nos oferece – ou condiciona. O casario típico ora contorna, ora se sobrepõe aos enormes blocos graníticos dando um cunho muito próprio a esta vila original. 

Historicamente, é ancestral como provam os forais que sucessivamente lhe foram atribuídos por D.Afonso Henriques, D.Sancho I, D.Sancho II e D. Manuel I

Do Largo do Baluarte temos uma magnifica vista para as terras que se espraiam a seus pés. Depois…é sempre a subir! 

37 - Monsanto - Vista do Largo do Baluarte.jpg_7.64_jpg
Monsanto – Vista do Largo do Baluarte
38 - Monsanto - Panorama com a Torre do Lucano ao fundo.jpg_7.89_jpg
Monsanto – Panorama com a Torre do Lucano ao fundo
39 - Monsanto - Igreja da Misericórdia e Torre do Lucano.jpg_7.65_jpg
Monsanto – Igreja da Misericórdia e Torre do Lucano.
40 - Monsanto - Igreja Matriz ou de S. Salvador.jpg_7.35_jpg
Monsanto – Igreja Matriz ou de S. Salvador
41 - Monsanto - rua.jpg_8.24_jpg
Monsanto – rua
42 - Monsanto - pormenor.jpg_8.18_jpg
Monsanto – pormenor
43 - Monsanto - rua.jpg_8.56_jpg
Monsanto – rua
44 - Monsanto - A força da rocha.jpg_8.30_jpg
Monsanto – A força da rocha

20201127_153855.jpg_8.52_jpgMonsanto – Igreja Matriz ou de S. Salvador

20201127_154149.jpg_7.34_jpg
Monsanto – A caminho da Torre do Lucano
20201127_155327.jpg_9.51_jpg
Monsanto – Beco
45 - Monsanto - Casa típica.jpg_7.81_jpg
Monsanto – Casa típica

Em Monsanto, para lá das construções habituais em terras antigas – as igrejas, o pelourinho, o castelo – encontramos diversos solares de famílias abastadas – o da Família Pinheiro ou da Fonte Mono, o da Família do Marquês de Graciosa, o da Família Melo ou dos Condes de Monsanto, ou ainda o dos Priores de Monsanto. Também passamos pela casa do escritor Fernando Namora e o consultório onde exercia medicina, bem como a casa onde habitou Zeca Afonso. 

46 - Monsanto - Solar dos Pinheiros ou Casa do Chafariz Mono.jpg_8.60_jpg
Monsanto – Solar dos Pinheiros ou Casa do Chafariz
47 - Monsanto - horizonte.jpg_6.72_jpg
Monsanto – horizonte
48 - Monsanto - ruina e panorama.jpg_9.07_jpg
Monsanto – ruina e panorama

O sol avançava rapidamente para o ocaso. A luz do dia desvanecia-se mas ainda sobrou um pouco para terminar a jornada numa curta visita a Idanha a Velha. 

O seu nome poderá derivar da denominação romana “Cidade dos Igeditanos” (Civitas Igaeditanorum), terminologia que viria a tornar-se Igeditânia. O nome Egitânia só surge em documento do século VI e dele derivam a forma visigótica Egitânia e a forma árabe Idânia. 

Fundada na era do Imperador Augusto (século I a.C.), a fundação deste núcleo populacional teve para Roma uma significativa importância pela sua localização entre Guarda e Mérida. A ocupação romana desta zona está bem comprovada pela observação detalhada das muralhas edificadas entre os séculos III a IV, quando do início das Invasões Bárbaras. Segundo algumas teorias, terá sido aqui que, em 305, terá nascido o Papa Dâmaso I. 

Os primeiros sinais de prosperidade vieram com a conquista visigótica, durante a qual foram construídos a Catedral, o Palácio dos Bispos, o Paço episcopal e a Ponte de São Dâmaso. Em 713, os mouros tomaram a cidade e destruíram-na. Reconquistada pelo Rei Afonso III de Leão, foi perdida novamente, só tendo sido definitivamente tomada por D. Sancho I. 

Em 1319, D. Dinis doou-a à Ordem de Cristo e o foral só foi renovado no tempo de D. Manuel I. Os seus marcos mais importantes são o Pelourinho, a Igreja Matriz, as Capelas de São Dâmaso, de São Sebastião e do Espírito Santo. 

49 - Idanha a Velha - Fortaleza - Porta Norte.jpg_2.80_jpg
Idanha a Velha – Fortaleza – Porta Norte
50 - Idanha a Velha - Igreja de S. Maria - Sé Catedral.jpg_2.76_jpg
Idanha a Velha – Igreja de S. Maria – Sé Catedral
51 - Idanha a Velha - Torre dos Templários.jpg_1.60_jpg
Idanha a Velha – Torre dos Templários

Em Idanha a Velha terminei a jornada pelas estradas esquecidas da Beira Baixa.

Deliberadamente porque já conhecia e porque o tempo era escasso, não visitei a fronteiriça Segura com a sua ponte romana sobre o rio Erges e, alguns quilómetros mais à frente, já em Espanha, a magnífica ponte romana de Alcântara sobre o Rio Tejo. 

Era tempo de regressar. Apesar de pouco passar das 5 da tarde, a noite tomava conta da paisagem. Depois das Termas de Monfortinho já fui vendo mais algumas pessoas nas ruas das terras visitadas. Sempre atenua a sensação atrás referida. Mas estes tempos são muito estranhos. E pouco alegres. 

Assim se fez mais uma Viagem ao Virar da Esquina, desta feita por um recanto esquecido do nosso território.

52 - As estradas esquecidas da Beira Baixa.jpg_0.09_jpg
As estradas esquecidas da Beira Baixa

3 opiniões sobre “As estradas esquecidas da Beira Baixa”

  1. Henrique, que artigo maravilhoso.
    Tenho de concordar quando diz que é uma zona esquecida, e contra mim o digo. A minha zona de família é mais a Beira Alta, pelo que acabo apenas por atravessar esta região e pouco dela conheço. Mas o seu post relembrou-me de planos passados. Monsanto acredito que, só visto mesmo, entenderei a excepcionalidade do lugar 🙂
    Um abraço e um excelente ano 2021!

    Gostar

  2. É realmente uma zona do país menos conhecida e, por se situar longe das maiores cidades do país, menos frequentada.
    Mas é uma região de uma beleza incomparável porque esse isolamento tem permitido preservar a natureza. Recomendo vivamente!
    Ao Henrique os parabéns pela bela crónica. Dessa vez foi um sprint. Da próxima que seja com mais tempo, especialmente agora que os tempos são de alívio!

    Gostar

Deixe uma Resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Create your website with WordPress.com
Iniciar
%d bloggers like this: